Redes pessoais – Daniel Bryan

Momento de reciclar contatos e a reflexão: o que te torna relevante para ser lembrado?

Inspirado em conversa presencial com social media.

As redes sociais facilitam aproximação entre pessoas pelo compartilhamento de idéias onde os interesses e objetivos são comuns, isso todos sabem. Sua proposta sofreu mutações com as mudanças no comportamento de como são usadas, segue breve opinião:

Sou o que aparento ser: Orkut, Facebook e MySpace são os mais usados no Brasil. É bom para acompanhar fotos de parentes distantes e poder desejar Feliz Aniversário no dia certo.

Repositório: Youtube, Vimeo, Flickr, Videolog, permitem profissionais compartilharem suas produções em alta qualidade. Para não profissionais, ótima opção de backup.

Idéias: Blog e Twitter, compartilham conhecimento com possibilidade de reflexão. Hoje muito usados para tags populares: “#prontofalei”, “#naotempreco” e “#tovelho”. No Blog, divisão entre diário pessoal, retransmissão de recortes virais ou repositório de softwares.

O mundo está interconectado em ambientes virtuais que dispensam a lógica do mediador, posso falar diretamente com quem tenho interesse e caso não tenha acesso, chego através do amigo do amigo. Porém, ter o acesso não significa que serei relevante para pessoa.

Por que você merece minha atenção?

Construir conteúdos com qualidade para competir com infinitos outros conteúdos e ao mesmo tempo manter-se relevante para as pessoas é um desafio grande numa sociedade onde o tempo é um bem muito escasso.

Podemos partir da idéia que a qualidade dos contatos é decorrente do bom relacionamento, este tem que ser construído com árduo trabalho de manutenção para quando precisar ser correspondido.

Conheço amigos que possuem milhares de outros amigos virtuais, seguem-se mutuamente, mas quando se encontram pessoalmente fingem não se conhecer pelo trabalho de conversar, pensam:

– Já conheço o fulano pelas idéias, falar mais o que?

A qualidade do relacionamento é questionável, valores como alto número de acessos são insignificantes comparados as percepções presenciais, como aperto de mãos, um abraço, o tom de voz, sinceridade frente aos olhos, improviso nas respostas, tudo isso num simples café ou rápido encontro rotineiro.

Pode parecer discurso auto-ajuda, mas boas ações presenciais refletem imagens positivas onde a Internet torna-se apenas um papel complementar.

Penso que o caminho é servir ao próximo, sendo útil no momento oportuno com aquilo que posso fazer de melhor. Um dia a ação será relembrada pelo beneficiado.

Assim, no ringue de redes sociais vs redes pessoais, na segunda opção tenho a chance de fazer com que as minhas atitudes sejam publicidade e pessoas virem mídia.

E pra você, o virtual substitui o pessoal? O que pensa a respeito?

Vem ai… www.atoearte.com.br

Ps.: se você recebeu convite para este post, privilegiado, por algum motivo te considerei relevante.

[]’s
Daniel Bryan