Novo tema e o remix – Daniel Bryan
Novo tema site portfolio, Theme v2.

A rede é uma pratica recombinante onde tudo que é bom não se desperdiça, assim surgem pitacos a cada instante e seu trabalho vai ganhando outra cara.

Apresento o Theme v2, um upgrade na interface do meu site. O conteúdo também ganhou novo projeto, o vídeo de Biossegurança em HD da FFO-Fundecto, produzido em parceria com @pingo_no_i, confira no site.

Paisagem atraente, porém o excesso de azul saturava o todo com frieza.
Na mesma proposta anterior, agora tons de amarelo, marrom e verde transcendem aconchego e vida. As janelas foram reordenadas em fileira única, facilitando entendimento. Botão deslizante finito. O “azul identidade” compõem os detalhes e sinaliza interação.
O design da janela era grosseiro, tipografia com difícil leitura.
Melhor design e leitura. Transparência nas janelas, criando harmonia entre conteúdo e paisagem.
Formato que não aproveitava área útil.
Formato que valoriza o conteúdo.
Diversas janelas para mesmo assunto. Botões de paginação fora do conceito atual.
Conteúdo condensado. Melhor proporção nas fotos. Navegação com conceito mais atual.
Menu horizontal de contatos simples.
Menu horizontal mais sofisticado.

Faça um test drive no www.bryan.com.br e compartilhe o que achou aqui no blog.

Sigo com breve reflexão sobre o remix.

O remix

O remix é uma prática recombinante com diversas adaptações, semelhante uma gambiarra, na rede é garantida pela facilidade do digital em transformar tudo sem perdas.

Encontramos sua prática na música, quando solista de jazz resgata em sua mente, desde as aulas de infância com pai até sons de grandes artistas, no fruir, é como se o músico pegasse uma colcha de retalhos de repertórios e fosse reconstruindo com sua identidade e contexto para seu público.

A mesma lógica vale na ciência, quando pesquisador faz uma descoberta, aproveita todo o trabalho de outros cientistas que vieram antes.

No trabalho, aproveitamos procedimentos e rotinas de outros profissionais. Quando percebemos que pode ser melhorado, somente continuamos.

Em família, pais e avós educam seus filhos passando seus conhecimentos, cultura e valores.

Qual é o problema que “neste mundo nada se cria, tudo se copia”? Melhor, “se recombina”!

Aprender, transformar e devolver, processo, que sempre fez parte do ciclo da vida, nossa cultura e traz aperfeiçoamento.

Qual é a fonte do segredo?

Penso que pouco importa! A fonte não é mais importante do que a pessoa do autor, menos ainda seu conhecimento e obra.

O que importa é o exercício, a realização, resultado, emoção, solução.

Não sou contra fonte, precisamos valorizar nossos próprios trabalhos e de outros que resultam o nosso. Mas que este reconhecimento seja lúcido, pelo valor ao próximo. O resto é marketing e ganância!

Endeusamento de autoria, construção de mito e olhar engessado na fonte, são conceitos criados por entidades que exploram todo um mercado, como a indústria da intermediação que alienam seus consumidores a entender que seus produtos é a melhor coisa da vida e que será muito infeliz sem!

Consumidor, preciso saber quem fez e se é original? Se não julgar ser original, então é pirata… não presta!

Mediador, preciso sempre garantir que obras/produtos serão genuinamente autênticos, não pela inovação, sim pelo respaldo jurídico que terei para explorar ainda mais dinheiro.

Penso que a web estabelece uma nova ordem nas relações, irá diminuir cada vez mais os espaços para negócios baseados na intermediação. Agora tenho acesso diretamente a qualquer tipo de informação e ao profissional, não preciso tanto do mediador. Sobre criação, qualquer pessoa torna agente na rede e pode remixar, não é mais exclusividade de profissionais e artistas.

Todos somos produtores, consumidores e transformadores de si mesmos, em grande sinergia.

E você, o acha do remix em nossa cultura?

Segue vídeo de amigo, onde a trilha sonora original foi criada para área farmacêutica. Após muitos remixes, imagens do cotidiano inspiraram um novo sentido à música (*ver no slider).